4 dias em Lanzarote (Ilhas Canárias)

*Post convidado por Adriana Raupp


Arrieta, Lanzarote, ilhas Canárias
Praia em Arrieta

Lanzarote nunca foi para ser muitas coisas mas agora é tudo. Esse destino já havia sido mencionado em conversas sobre lugares que um dia iríamos, junto com infinitos outros nomes. O Guilherme tinha visto “José e Pilar” e ficou com vontade de conhecer a ilha vulcânica, mas sei lá, acho que por conhecermos só uma pessoa que tinha ido, nunca era topo da lista de prioridades.


Dezembro no hemisfério norte é sinônimo de poucas horas de luz, além do frio, claro. Na Inglaterra, as poucas horas de luz costumam ser encobertas, então o sol é raro. Antevendo essa situação, em maio decidimos que escaparíamos para um lugar mais ameno. Optamos pelo Marrocos, pois uns amigos tinham voltado recentemente e a impressão era sempre positiva.


Em agosto, após o verão intenso de muito trabalho e muitas viagens, estava muito estressada e meu marido, preocupado com meu bem estar, observou que o Marrocos talvez não fosse esse destino de paz que buscava. Muitas pessoas te abordando para vender algum produto ou serviço, oferecendo camelos, e negociando preços. Resolvemos consultar o oráculo.


Skyscanner:


De: “Londres aeroporto mais perto da nossa casa” (luxo)

Para: “qualquer lugar classificar por preço mais barato”

Quando: “data que íamos para o Marrocos”

Horário: “aquele que não precisa de pressa” (segundo luxo)

Resultado: Lanzarote


Demorou. Temperatura de 15 a 25 C, probabilidade de sol altíssima e menos vento do que o costume. Perfeito!


Ah, além disso, apostei um jantar que ficaria de aeroporto a aeroporto sem usar meu telefone. Spoiler: ganhei! Aliás, acho que os amigos e familiares só “permitiram” isso pois Lanzarote virou lua de mel, já que fomos pra lá cerca de duas semanas depois de casar.


Lanzarote é lindo! Nunca estive num lugar como lá. Parece outro planeta. Pertence à Espanha, mas fica a 100 km da costa oeste africana. Como fomos na baixa temporada (dezembro de 2019), os hotéis estavam muito mais baratos; ficamos num resort com várias piscinas, academia etc, pagando 50% do preço normal. Nosso apartamento tinha cozinha — gosto de cozinhar o café da manhã e não sair às pressas com fome ou então comer todos os dias comida que inglês come pela manhã (ah sim, Lanzarote já foi descoberta pelos britânicos e irlandeses há muitos anos, diria que no mínimo 50% dos voos que lá chegam vêm daqui).


Lanzarote, ilhas canárias

Nosso hotel ficava em Costa Teguise, a 15 min de carro do aero, e recomendo muito alugar carro. É a melhor forma de acessar todos os cantinhos da ilha que, apesar de pequena, varia muito em termos de paisagem e clima.


Outra coisa que vale comentar: demoramos para achar bons lugares para comer. Amo receber dicas de conhecidos, mas dessa vez não rolou, então tivemos que tentar a sorte com os reviews do Google, algumas erramos rude, outras foram muito boas e até hoje lembro com carinho das comidas que comi.


Vamos ao roteiro:


Dia 1: Norte


Chegamos sábado à noite. Ainda bem que o hotel tinha um minimercado, senão morreríamos de fome. Domingo de manhã lembrei que o Mercadillo de la Villa de Teguise só abria naquele dia, então lá fomos nós. Artesanato local e algumas barracas de comida, tomamos um caldo de cana, que lá é servido com limonada.


Neste dia descobrimos algumas produções típicas de Lanzarote: aloe vera e tudo que se pode fazer a partir da babosa, e também a cochonilha, um inseto que habita os cactos de Lanzarote e é usado para fabricar tinta para tecido.


Do mercado fomos para os outros afazeres turísticos do dia. Mas antes passamos por uma estrada e vimos umas estruturas de pedra erodida muito lindas. Vimos também que tinham alguns carros parados lá e pessoas tirando fotos. Paramos e tiramos fotos e depois descobrimos que o lugar se chama Cidade Estratificada.


Chegamos no Jardim de Cactos, um jardim curado com todos os tipos de cactos de Lanzarote.


Jardim de cactos, Lanzarote, ilhas canárias