Roteiro: 5 dias em Lisboa


Lisboa é imperdível. Pra quem gosta de comer, então, Lisboa é imperdível mesmo.


Em fevereiro de 2018 passei 5 dias na cidade e amei cada segundo. As ruas, as casas, a comida, as ladeiras: Lisboa é apaixonante. Não bastasse isso tudo, a cidade ainda é segura e muito barata para padrões europeus. Só pra ter uma ideia, dá pra fazer uma refeição maneira, com entrada e vinho, por menos de 10 euros.


Esse roteiro foi feito a 4 mãos: como seria minha primeira vez na cidade, listei todos os lugares que queria conhecer e minha amiga Adriana, que na época morava lá, deu uma lapidada e incluiu todos os restaurantes maravilhosos listados aqui.


Dia 1: Belém


Belém é um bairro cheio de história, principalmente pra gente aqui do Brasil, pois foi da sua famosa torre à beira do Tejo que saiu a frota de Pedro Álvares Cabral que, mais tarde, acabaria "descobrindo" o Brasil.


Comece o passeio pela Torre de Belém. Construída entre 1514 e 1520, sua principal função era a de posto de vigia. É possível visitar a área interna da torre, e o ingresso custa €6.


Mais adiante, caminhando pela margem do Tejo você encontra o Padrão dos Descobrimentos, um monumento com a forma de uma caravela que traz a imagem de várias personalidades importantes da navegação portuguesa.



Continue o passeio para o Mosteiro de Santa Maria de Belém, mais conhecido como Mosteiro dos Jerónimos, uma construção que começou em 1501, mas só ficou pronta quase um século depois. A Igreja de Santa Maria de Belém, de estilo manuelino, derivado do gótico, conta com vitrais e faz alusão a elementos da natureza e das grandes navegações. Lá você também encontra os sarcófagos de Vasco da Gama e de Luís de Camões. A entrada para a igreja é gratuita, mas para o mosteiro há um ingresso de €10 (fechado às segundas).


Não muito distante do mosteiro, há uma parada obrigatória em Belém: a Antiga Confeitaria de Belém, que funciona desde 1837. Ali são feitos os pastéis de Belém com uma receita supersecreta que supostamente os torna diferentes dos pastéis de nata comuns (confesso que não percebi essa diferença!).


Deixando a rixa dos pastéis de nata vs pastéis de Belém de lado (o importante mesmo é comer os dois), siga para o MAAT, o Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia de Lisboa. Se não quiser entrar no museu, caminhar por sua estrutura já vale a pena, além de ser um lugar privilegiado para ver a Ponte 25 de Abril.


Termine o dia na LX Factory, antigo complexo industrial revitalizado que hoje abriga lojas, escritórios e restaurantes. Lá você encontra ótimas opções para comer e beber.


Clique aqui para ver um mapa de todas as atrações no Google Maps.

Dia 2: Campo de Santa Clara e Castelo de São Jorge


Comece o dia no Campo de Santa Clara, na famosa Feira da Ladra, um imenso mercado de pulgas com tudo quanto é coisa à venda. Eu, particularmente, adoro uma feira de rua e nesta você encontra roupas, vinis, objetos, antiguidades, louças e todo tipo de quinquilharia. A feira acontece às terças e sábados e começa cedo, por volta das 8h, indo até o início da tarde.


Bem próximo de onde acontece a feira está o Panteão Nacional (fechado às segundas), que fica na Igreja de Santa Engrácia, que abriga o túmulo de várias personalidades portuguesas, além de ter um terraço com uma excelente vista da cidade. O ingresso custa 4€.


Depois da visita, siga para o miradouro Portas do Sol para ver a vista e fazer uma pausa para uma bebida no quiosque. De lá, vá para o Castelo de São Jorge, um castelo medieval cujas primeiras construções remontam ao século 1 a.C. O castelo fica aberto todos os dias e o o ingresso custa 10€.


Bateu a fome? Pare para almoçar no Zé da Mouraria (Rua João do Outeiro, 24). Os pratos são grandes e feitos para dividir. Recomendo fortemente os bifinhos ao alhinho ou as lulas ao alhinho com fritas.


Clique aqui para ver um mapa de todas as atrações no Google Maps.

Dia 3: Intendente e Baixa


Comece o passeio pelo Largo do Intendente, onde há vários bares, restaurantes e comércio. O largo é também supermovimentado à noite, com destaque para a Casa Independente e o Café do Largo, legais para dançar e tomar drinks. Lá também fica A Vida Portuguesa (Largo do Intendente Pina Manique, 23), uma loja linda com curadoria de itens tradicionais portugueses (lá comprei uns patês e sardinhas deliciosos pra trazer pra casa). Na outra ponta do largo está o restaurante Ramiro (Av. Almirante Reis, 1), tradicional de frutos do mar que vende os produtos por peso. O lugar é mais caro que a média de Lisboa, mas achei que a experiência valeu a pena.


De lá siga para o Miradouro Nossa Senhora do Monte, em frente à Igreja Nossa Senhora do Monte. Mais adiante há também o Miradouro da Graça, de onde também se tem uma boa vista da cidade. Lisboa é cheia de miradouros e, apesar de todos terem a mesma finalidade, acho que cada um tem um climinha (além de uma vista) diferente.


Agora vá em direção à estação Rossio. No caminho há o restaurante Zé dos Cornos (Beco dos Surradores, 5) que vale conhecer se a fome já tiver batido (a costela é imperdível).


Antes de chegar à estação, você encontrará a Igreja São Domingos, de estilo barroco, que fica no Largo São Domingos. Lá próximo vale parar para tomar uma ginja, tradicional licor de cereja ácida, no Ginjinha Sem Rival (Rua das Portas de Santo Antão, 7), um balcão que está lá no mesmo lugar há 2 séculos. Esta região de Lisboa é conhecida como Baixa e, até o caminho para o porto, você passará pela Praça da Figueira, Elevador de Santa Justa, Rua Augusta e Praça do Comércio. Passeie com calma por esse pedaço, é muito gostoso.


A rota termina no Cais do Sodré e, depois, no Mercado da Ribeira ou Mercado Time-Out, antigo mercado de peixes que foi revitalizado e onde você pode aproveitar para tomar um drink ou beliscar alguma coisa.


Clique aqui para ver um mapa de todas as atrações no Google Maps.


Dia 4: Bairro Alto e Chiado


Bairro Alto e Chiado são regiões bem conhecidas em Lisboa. São cheias de comércio, lojas famosas e restaurantes.


Comece o passeio pelo Ascensor da Glória. De lá siga para o Jardim e Miradouro de São Pedro de Alcâncara, com projeto original do século 18. O jardim conta com uma parte superior de onde se tem uma bela vista do Castelo de São Jorge. Próximo dali está o Jardim Príncipe Real, que também vale a visita.


Faça uma pausa na gelateria Nannarella: os sorvetes são maravilhosos. Ali perto está o Palácio de São Bento, que vale uma volta nos jardins. Se você gosta de chá ou de lugares antiguinhos, dê um pulo na Companhia Portugueza do Chá (Rua do Poço dos Negros, 105).




Termine esta rota na Praça Luís de Camões, onde você também encontrará uma loja da Manteigaria para provar um pastel de natas. Para almoçar, definitivamente vá ao Príncipe do Calhariz (Calçada do Combro, 28).


Clique aqui para ver um mapa de todas as atrações no Google Maps.

Dia 5: Sintra



Sintra parece saída de um conto de fadas! A mais ou menos 1 hora de trem de Lisboa, vale um bate e volta para conhecer. Como a maioria dos museus e igrejas de Lisboa fecham às segundas, este é um bom dia para visitar o lugar.


O trem para Sintra custa cerca de 10€ e você pode pegá-lo saindo da estação Roma/Areeiro ou Rossio.


Chegando em Sintra, você pode comprar o passe de ônibus (cerca de 5€) que deixa nos principais pontos de interesse em um esquema hop-on/hop-off. O passe é essencial para um passeio de um dia, pois as distâncias são um pouco longas e há muita subida.


O que você não pode deixar de ver:


Castelo dos Mouros

Palácio Nacional da Pena

Quinta da Regaleira

Palácio Nacional de Sintra

Palácio Monserrate


Para não perder tempo, recomendo levar água e lanchinhos neste passeio para Sintra. Passe no mercado e compre um bom queijo de ovelha e pão, pasteis de nata e outras delícias portuguesas para comer no caminho ;)

PRA SE INSPIRAR


Antes de viajar, adoro assistir filmes e séries e escutar músicas do lugar para ir entrando no clima.


No Netflix tem uma série chamada Somebody feed Phil e o quarto episódio da primeira temporada se passa em Lisboa. Lá o Phil vai em vários restaurantes, inclusive o Ramiro e o Ginja sem Rival que citei aqui.


Lá em Lisboa fui a uma performance do Fado Bicha. O show foi incrível e debateu temas como racismo, escravidão e identidade de gênero. Se der a sorte de esbarrar com este fado por lá, vá. Se não, dá pra ouvir algumas músicas no Spotify.


DICAS ÚTEIS


Funcionamento

A maioria dos museus e igrejas fecha às segundas-feiras. Se organize!


Onde ficar

Recomendo se hospedar na região do Intendente, entre as estações de metrô Martim Moniz e Anjos.


Pasteis de nata

Os que mais gostei foram os da Manteigaria. Há duas filiais na cidade, uma no Chiado e o.


Onde comer

Ramiro - Av. Almirante Reis, 1

Zé da Mouraria - R. João do Outeiro, 24

Príncipe do Calhariz - Calçada do Combro, 28

Café do Largo - Largo do Intendente Pina Manique, 49

Manteigaria - Rua do Loreto, 2 e Av. 24 de Julho, 50

Zé dos Cornos - Beco dos Surradores, 5

Pitéu da Graça - Largo da Graça, 95-96

Nannarella Gelati Alla Romana - Rua Nova da Piedade, 64A

Mú Gelato Italiano - Campo Mártires da Pátria, 50


Clique aqui para ver todos os endereços no Google Maps.